Destaque para produção do carvão vegetal e a produção de madeira em tora para papel e celulose
Após perda de 5,0% em 2019, o valor de produção da silvicultura (florestas plantadas) retomou o crescimento, com alta de 21,3%, e atingiu R$ 18,8 bilhões em 2020. Os dados são da Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (PEVS) 2020, divulgada pelo IBGE.
O resultado da silvicultura é considerado uma recuperação da atividade, com destaque para o aumento no valor de produção do carvão vegetal (37,8%) e a produção de madeira em tora para papel e celulose (25,6%). Segundo o gerente de agricultura, Carlos Alfredo Guedes, houve grande demanda e consequente aumento nos preços em 2020, num cenário em que os produtos brasileiros se tornaram atraentes para o mercado externo, devido ao câmbio favorável.


A produção de madeira em tora para papel e celulose, que havia sofrido perda de 14,2% em 2019, cresceu 10,7% e fechou o ano de 2020 ocupando o sétimo lugar no ranking das exportações totais do Brasil, de acordo com a Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Com o aumento de 25,6%, o valor da produção alcançou R$ 5,8 bilhões e continua sendo a maior participação no valor da silvicultura.


O carvão vegetal, segundo lugar no valor da produção da silvicultura, com R$ 5,4 bilhões, tem seu crescimento explicado pelo aumento dos preços, já que a produção cresceu apenas 2,7%. Com a alta na demanda da China pelo ferro-gusa, a indústria siderúrgica, principal mercado consumidor de carvão vegetal, se voltou para a exportação.
“Boa parte dos produtos da silvicultura é exportada. Com a desvalorização do real frente ao dólar, fica mais barato para os países comprarem os produtos do Brasil. Esta questão cambial acaba influenciando no valor de produção, pois o aumento do dólar torna o produto mais caro no mercado interno”, explica Guedes.


Fonte: Agrolink

Foto: Paulo Cardoso

+55 67 99227-8719
contato@maisfloresta.com.br

Copyright 2021 Mais Floresta ©  Todos os direitos Reservados