Ao longo dos anos, as empresas têm estado mais comprometidas em desenvolver objetivos de sustentabilidade que vêm junto com sua estratégia de negócios. A fim de melhorar seus critérios ambientais, sociais e de governança – ESG, muitas empresas implantaram uma série de metas que estão relacionadas a cada aspecto. Algumas das metas mais notáveis são as ambientais que estão associadas com os diferentes compromissos de neutralidade de carbono ou lixo zero que as empresas anunciaram. Há também algumas metas sociais que estão associadas a aspectos como direitos humanos, práticas trabalhistas, saúde e segurança ocupacional, entre outros.

Esta tendência se deve à pressão de muitos stakeholders que estão levantando suas vozes para ver as empresas de uma maneira mais holística. Portanto, eles estão exigindo que as empresas distribuam seu valor numa visão mais integrada na qual os acionistas não sejam os únicos que estão se beneficiando dos lucros das empresas, mas também as diferentes partes interessadas que estão envolvidas na estratégia comercial. Alguns desses stakeholders poderiam ser internos, tais como funcionários, administração e proprietários, e outros externos, como por exemplo, clientes, ONGs, governos, fornecedores, entre outros. Ou seja, considera-se que a competitividade de uma empresa está ligada às comunidades ao seu redor. Esta visão está desafiando o modelo Business-as-usual que poderia estar mais focado na perspectiva do acionista.

Dada a situação anterior, muitas empresas tentaram integrar a sua estratégia empresarial com os fatores do ESG. Considera-se que a integração dos fatores ESG na estratégia empresarial poderia ajudar a ter uma visão mais macro nas empresas, formulando uma estratégia a longo prazo que tenha em conta toda a cadeia de abastecimento ou as partes interessadas envolvidas. A fim de seguir a sua estratégia de sustentabilidade, é importante analisar os seus relatórios de sustentabilidade. Um relatório de sustentabilidade é a foto de um período de tempo específico, que é normalmente anual, do desempenho de uma empresa em relação aos objetivos de sustentabilidade. Este relatório acompanha o processo de elaboração de relatórios de sustentabilidade, que é um ciclo de melhoria contínua concebido para integrar a sustentabilidade dentro da empresa, incluindo a interação com os stakeholders internos e externos.

Estruturas de relatórios de sustentabilidade

Para acompanhar o progresso dos diferentes objetivos de sustentabilidade que uma empresa tem, é fundamental ter um entendimento das diferentes estruturas de relatórios de sustentabilidade. Estes relatórios irão complementar a informação publicada nos relatórios financeiros tradicionais – relatórios anuais e relatórios financeiros. No entanto, espera-se que o relatório tradicional possa ser combinado com o relatório de sustentabilidade, criando um relatório anual integrado.

Em conformidade com esta visão, foram desenvolvidos dois tipos de estruturas. A primeira está associada a normas gerais e tem uma abordagem integral. É o caso de algumas orientações como a Global Reporting Initiative (GRI), Integrated Reporting (IR), e Sustainability Accounting Standards Board (SASB). Já a segunda estrutura está centrado no meio ambiente, por exemplo, a Task Force sobre Divulgações Financeiras Relacionadas com o Clima (TCFD) e o Carbon Disclosure Project (CDP).

O GRI é uma das estruturas mais utilizadas. Segundo o GRI, as suas normas ajudam as organizações a aumentar a sua transparência e a comunicar tanto os seus impactos positivos como negativos no desenvolvimento sustentável. Cada organização reporta sobre tópicos que refletem os impactos econômicos, ambientais e sociais significativos da organização e que são importantes para as suas partes interessadas, que são também conhecidos como “tópicos materiais”. Os tópicos materiais de uma organização são determinados com base nas atividades e relações comerciais da organização com diferentes partes interessadas. Por outro lado, existe também o Quadro Integrado de Relatórios- IR. Segundo o GRI, um relatório integrado é uma comunicação concisa sobre como a estratégia, governança, desempenho e perspectivas de uma organização, no contexto do seu ambiente externo, conduzem à criação de valor a curto, médio e longo prazo.

De acordo com as diretrizes relacionadas à dimensão ambiental, as empresas têm seguido a estrutura do CDP, que administra o sistema global de divulgação ambiental. De acordo com a organização, a cada ano o CDP apoia milhares de empresas, cidades, estados e regiões para medir e gerenciar seus riscos e oportunidades sobre mudanças climáticas, segurança da água e desmatamento. Além disso, há outra estrutura relacionada aos riscos climáticos. O Conselho de Estabilidade Financeira estabeleceu o TCFD para desenvolver recomendações para divulgações mais eficazes relacionadas ao clima que poderiam promover decisões mais informadas de investimento, crédito e subscrição de seguros e, por sua vez, permitir às partes interessadas compreender melhor as concentrações de ativos relacionados ao carbono no setor financeiro e as exposições do sistema financeiro aos riscos relacionados ao clima.

Mesmo assim, ainda há uma considerável variedade de estruturas. Em 2020, “cinco organizações globais – CDP, CDSB, GRI, IIRC e SASB – cujas estruturas, padrões e plataformas orientam a maior parte da sustentabilidade e relatórios integrados, anunciaram uma visão compartilhada do que é necessário para o progresso em direção a relatórios corporativos abrangentes – e a intenção de trabalhar em conjunto para alcançá-lo”. A ideia é fornecer diretrizes que sejam alinhadas para contribuir para a realização de um sistema de relatórios corporativos abrangentes aceito globalmente.

Dada a tendência atual na qual as empresas estão mudando sua estratégia de negócios para incorporar questões de sustentabilidade, o processo de relatórios de sustentabilidade e os relatórios têm se tornado cada vez mais relevantes, os projetos oferecidos pela Reflora Initiative abordam as atividades sustentáveis que devem contar nos relatórios. O objetivo é conseguir uma integração entre relatórios tradicionais e de sustentabilidade, incorporando uma série de tópicos materiais que impactam todas as partes interessadas que fazem parte da estratégia de negócios da empresa. Embora haja um número considerável de estruturas diferentes, já estão em andamento iniciativas para padronizar estas diretrizes. Espera-se que no futuro estes tipos de relatórios tenham a mesma importância que os relatórios tradicionais e que seja visto como uma desvantagem não os ter.

Fontes

https://www.integratedreporting.org/resource/international-ir-framework/

https://www.globalreporting.org/media/nmmnwfsm/gri-policymakers-guide.pdf

https://www.cdp.net/en/info/about-us

https://www.fsb-tcfd.org/about/

https://29kjwb3armds2g3gi4lq2sx1-wpengine.netdna-ssl.com/wp-content/uploads/Reporting-on-enterprise-value_climate-prototype_Dec20.pdf

Fonte: Reflora

+55 67 99227-8719
contato@maisfloresta.com.br

Copyright 2021 Mais Floresta ©  Todos os direitos Reservados