Obras concluídas em poucos dias, custos de manutenção reduzidos e desperdício zero de material são alguns dos benefícios proporcionados por este procedimento. Uma alternativa que, diante do cenário pós-pandemia, configura-se como uma estratégia de rentabilidade bem-sucedida para o setor e uma excelente alternativa para quem busca eficiência e adaptabilidade.

Tendo em conta os tempos atuais, parece que tudo o que não é imediato é visto com alguma desconfiança. E não porque você não queira esperar, mas simplesmente porque o tempo se tornou muito valioso. De fato, a hiperconexão e a instantaneidade do mundo contribuíram para conceber o cenário atual. Um que depois da realidade do Covid-19 mudou um pouco as regras do jogo e nos ensinou, em suma, que o atendimento presencial não é mais um fator primordial quando se trata de trabalhar e conviver. 

Trazendo o contexto atual para o campo da construção, surge a pergunta: é possível construir algo em muito pouco tempo e que, ao mesmo tempo, seja de qualidade, eficiente, sustentável e possa entregar diversas alternativas de projeto? A resposta é sim, pois o uso de material pré-fabricado – neste caso, a madeira – proporciona ao desenvolvedor um projeto econômico sustentável e eficiente, podendo realizar a obra no menor tempo possível, reduzir a manutenção e evitar o desperdício de material. Para isso, deve haver um processo construtivo definido que respeite a abordagem arquitetônica e integre todas as facilidades da estrutura.

Por ter um planejamento claro e conciso, o processo de construção é padronizado e o tempo de montagem em obra é reduzido. Além disso, o ambiente controlado em que os componentes são fabricados produz material preciso e de alta qualidade, que é classificado, carregado em caminhões e enviado diretamente para montagem. 

design flexível

A madeira é um ótimo isolante devido a sua baixa condutividade térmica  / Agências

Além do valor do tempo, outra das características que podem ser observadas na demanda por edifícios pré-fabricados é a adaptação. Em outras palavras, o cliente busca que o imóvel tenha capacidade para acomodar as necessidades exigidas, principalmente por questões de estilo, espaço, clima e distribuição. Por exemplo, existem empresas que possuem uma equipe técnica de profissionais que se dedicam a criar todos os tipos de projetos, sempre flexíveis às mudanças que o comprador precisa. Alguns têm até 20 modelos diferentes, de acordo com diferentes climas e garantindo uma vida útil de várias décadas.

Parando no item climático, é importante ressaltar que a madeira, por sua porosidade, possui baixa condutividade térmica, o que a torna um excelente isolante. É precisamente por isso que o material pode satisfazer os requisitos de isolamento mesmo em áreas extremas, pois as cavidades presentes em sua estrutura celular permitem isolar o calor até seis vezes mais que o tijolo, 15 vezes mais que o concreto e 400 vezes mais que o tijolo .mais do que aço.

Eficiência

Em 2011, a empresa McGraw Hill-Construction realizou um estudo sobre o progresso da construção pré-fabricada nos Estados Unidos. Para esta pesquisa, eles coletaram experiências de empreiteiros, arquitetos e engenheiros e, por sua vez, analisaram a atividade do mercado. De acordo com alguns dados do relatório, 35% dos consultados tiveram economia de tempo de quatro semanas ou mais no planejamento e prazos da obra, traduzindo-se em 47% para empresas de médio e grande porte e 50% para as que utilizaram BIM. 

As razões para estes números prendem-se, sobretudo, com o facto de o uso extensivo da pré-fabricação permitir ser mais intensivo nas tarefas, conseguir uma coordenação antecipada e também melhorar a conceção do projeto, refletindo no impacto dos custos. Tanto que 65% das empresas que utilizaram a pré-fabricação mencionaram sua redução -42% indicaram que foi de 6% ou mais-, o que está diretamente relacionado à construção fora do local, com controle de gastos fixos e imprevistos e, fundamentalmente, com a boa qualidade do material utilizado.

Como bônus, como a estrutura é produzida dentro de uma fábrica, o número de erros técnicos é menor do que em projetos comuns de construção, economizando, além disso, em ajustes e reformas. Isso, sem contar que o orçamento das estruturas pode ser mais fácil de cumprir, devido a menos redundâncias e pouco desperdício de material e tempo. Em suma, embora os componentes de construção possam parecer mais caros no início, o custo total instalado após todo o processo de construção no local é bastante minimizado. 

sustentabilidade

A madeira requer menos gasto de energia na sua produção  / Agências

Outro dos aspectos fundamentais ao se referir a qualquer tipo de projeto de construção é o impacto ambiental que causa ao intervir no local e, portanto, em seu entorno. Nos casos de construção modular e pré-fabricação, os resíduos, poeira e ruído ambiente são significativamente reduzidos. Ainda assim, é documentado por vários estudos, incluindo Jaillon & Poon em 2008, que fez uma análise da indústria da construção pré-fabricada em Hong Kong e os benefícios ambientais do setor. 

Além das características já citadas, destaca-se a “limpeza” da obra, pois o fato de não ser construída no mesmo local onde será localizada, permite que os resíduos não afetem o ecossistema. A isto acrescenta-se que a madeira necessita de menor gasto energético na sua produção e que, por ser natural, é biodegradável, reciclável, não tóxica e capta CO2 no seu crescimento, sendo uma alternativa aplicável em construções que contribuem para a boa saúde. o planeta.

Fonte: Madera21

+55 67 99227-8719
contato@maisfloresta.com.br

Copyright 2021 Mais Floresta ©  Todos os direitos Reservados