Pensando em substituir o petróleo, pesquisadores do outro lado do mundo estão “revivendo” tradições que foram passadas por gerações, para a existência da humanidade. Existe um local entre Tierra de Pinares e Sierra de Gredos, na Espanha, formada por uma floresta de pinheiros que liberam uma espécie de resina. O local de 400 mil hectares estende sua beleza até as montanhas, mas o que torna tão especial são suas resinas, que durante milhares de anos foi usada por diversas civilizações. De acordo com pesquisadores, a resina é um elemento biodegradável que pode, assim como o petróleo, produzir plástico.

Pesquisadores destacam as vantagens da resina como uma alternativa capaz de substituir o petróleo

De acordo com os pesquisadores, a boa notícia é que a resina se decompõe mais rápido do que o plástico, derivado de petróleo, utilizado atualmente. A resina, alternativa para substituir o petróleo, também é muito usada na indústria farmacêutica e em aplicações de construção. Na Espanha, cerca de 95% de sua extração ocorre em cidades como León e Castilla. Daí vem a importância de manter essas florestas ancestrais conservadas.

De acordo com os pesquisadores, caso o governo espanhol prestasse mais atenção à essa atividade, que pode substituir o petróleo, os produtores poderiam trabalhar durante todo o ano nas montanhas. Sendo assim, os jovens também poderiam voltar à sua terra natal e o ecoturismo teria um aumento significativo.

Já existe um grupo operacional com foco exclusivo no uso de resina para substituir o petróleo. O grupo Operacional RESINLAB é um laboratório experimental composto por uma rede de parcelas. Gestores, Proprietários, Pesquisadores, a indústria de transformação e fabricantes de resinas atuarão juntos para desenvolver inovação nos processos para obter a matéria prima.

Além disso, buscarão modelos profissionais que possibilitam uma rentabilidade maior aos proprietários de resinas e aos fabricantes e também no aprimoramento da cadeia de valor que garante a manutenção da atividade do mercado nacional.

O laboratório conta com três objetivos:

  • Promoção de novas formas de profissionalização no setor;
  • Criação de novas tecnologias de extração que tragam uma maior sustentabilidade da exploração na rede de parcelas do grupo operacional;
  • Criação de um observatório de dados.

Entenda porque a extração de resina tem perdido forças

A extração de resina nos pinheiros é uma das atividades florestais tradicionais que mais demonstra a essência e a sustentabilidade do manejo florestal. Entretanto, a falta de mão de obra qualificada, o abandono rural, a sua baixa rentabilidade por conta das várias horas de trabalho e a situação do mercado internacional tem enfraquecido a atividade, comprometendo a gestão sustentável de vários hectares de terra.

No GO-RESINLAB, variadas técnicas de extração de resina serão estudadas para que seja melhorada a eficiência e a sustentabilidade no uso para substituir o petróleo, assim como a qualidade obtida.

Um avanço em eficiência no processo de manuseio e extração do produto é fundamental para que as condições de trabalho do produtor sejam melhoradas e também resolver problemas em regiões com pouca mão de obra.  

Fonte: Click Petróleo e Gás

+55 67 99227-8719
contato@maisfloresta.com.br

Copyright 2021 Mais Floresta ©  Todos os direitos Reservados