Ribas do Rio Pardo, município com menos de 25 mil habitantes de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), já é o terceiro no ranking de geração de empregos formais em Mato Grosso do Sul. Entre janeiro e maio de 2022, quase 2 mil vagas foram criadas no município.

O crescimento atípico se deve ao andamento das obras da construção da quarta indústria de celulose de Mato Grosso do Sul. O Projeto Cerrado da Suzano, lançado em maio de 2021, segue com obras aceleradas e com previsão de entrar em operação no segundo trimestre de 2024, com capacidade para produzir 2,55 milhões de toneladas de celulose de eucalipto por ano.

Em consequência, o principal setor gerador de oportunidades de Ribas do Rio Pardo mudou, deixando de ser serviços, como acontece nas principais cidades do interior do Estado, para ser a construção civil. Para se ter ideia da dimensão das obras, em todo o ano de 2020 o município gerou apenas 13 empregos formais na construção civil, 1667 em serviços e 761 no comércio.

Só nos primeiros cinco meses de 2022, a construção civil repondeu pela geração de 1.082 vagas no município, enquanto o setor de serviços acumula 210 novos postos de trabalho. Os dados são do Caged (Cadastro Geral de Emprego e Desemprego), compilados pelo setor econômico da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

O secretário Jaime Verruck titular da Semagro, acrescentou ainda que o projeto Cerrado vai ao encontro de objetivos como agregar valor à produção e gerar empregos e renda. “O nosso foco em Mato Grosso do Sul sempre é o de agregar valor às nossas matérias-primas, desenvolver as pessoas e gerar empregos. O projeto Cerrado vem dessa maneira contribuir para isso”, disse.

Reflexo no entorno

A geração de emprego como reflexo do projeto Cerrado não se limita a Ribas do Rio Pardo. Os números do Caged também mostram aumento expressivo de novas vagas no setor de serviços em Campo Grande. Entre janeiro e maio o setor foi responsável por 4.807 novos postos de trabalho na Capital.

Em Três Lagoas, segundo município no ranking estadual, o setor de serviços também cresceu esse ano, com 829 novas vagas. Reflexo também em Dourados, o setor gerou 1.166 postos de trabalho em 2022.

De acordo com o projeto Cerrado, no momento o canteiro de obras conta com 4 mil trabalhadores. O pico da obra deve ocorrer no primeiro semestre de 2023, quando serão criados cerca de 10 mil empregos diretos no empreendimento, gerando também milhares de empregos indiretos na região. Quando entrar em operação, a nova fábrica da Suzano terá 3 mil postos de trabalho, entre diretos e indiretos atendendo as operações industrial e florestal.

Priscilla Peres, comunicação Semagro

Publicado por: Marcelo Armôa, Assessoria de Comunicação da Semagro

+55 67 99227-8719
contato@maisfloresta.com.br

Copyright 2021 Mais Floresta ©  Todos os direitos Reservados