A coleta contínua de dados melhorará a previsão do tempo na Terra

Sejam incêndios florestais que varrem a costa oeste, tempestades vindas do Oceano Pacífico ou neblina densa que cobre o noroeste do Pacífico, um novo satélite meteorológico poderá rastrear todos eles.

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, em inglês) lançou o GOES-T, o terceiro de sua série de satélites meteorológicos geoestacionários avançados, no dia 1º de março em Cabo Canaveral, Flórida.

Quando o satélite estiver em órbita, ele será renomeado como GOES-18 e monitorará o clima que afeta o oeste dos Estados Unidos, Alasca, Havaí, México, América Central e Oceano Pacífico.

satélite fornecerá uma visão mais sofisticada e nítida de como é o Hemisfério Ocidental da Terra a 35.785 quilômetros acima do planeta.

O GOES-T está equipado com um conjunto de instrumentos que podem fornecer medições da atmosfera, mapear relâmpagos em tempo real e enviar imagens impressionantes de ultra alta definição. A coleta contínua de dados melhorará a previsão do tempo na Terra.

Juntamente com o satélite GOES-16, lançado em 2016, os dois monitorarão ativamente mais da metade do globo, abrangendo desde a costa oeste da África até a Nova Zelândia.

“As observações desses satélites são ainda mais críticas agora, quando os EUA estão passando por um número recorde de desastres de bilhões de dólares”, disse Pam Sullivan, diretor do programa GOES-R da NOAA, durante uma entrevista coletiva. “Em comparação com a geração anterior, os satélites GOES-R fornecem 60 vezes mais imagens e têm uma nova câmera de raios para rastrear tempestades severas que geram tornados e ventos prejudiciais”.

A parte nordeste do Oceano Pacífico é onde muitas das tempestades que afetam os EUA começam.

“Como muitos dos sistemas climáticos dos Estados Unidos se movem do oeste para o leste, o GOES-T melhorará as previsões do modelo para todo o país”, disse James Yoe, diretor administrativo do Centro Conjunto para Assimilação de Dados de Satélite, durante uma entrevista coletiva na terça-feira (1).

E não é apenas relatar o clima na Terra — o GOES-18 também ficará de olho nas tempestades solares e no clima espacial, fornecendo alertas antecipados antes de possíveis interrupções em nossa rede elétrica na Terra.

Rastreamento de condições perigosas

Inundações e deslizamentos de terra em áreas costeiras geralmente podem ser atribuídos a um tipo de fenômeno climático chamado rios atmosféricos. Esses “rios no céu” liberam colunas de vapor de água dos trópicos e liberam chuva ou neve quando atingem a terra firme, de acordo com a NOAA. Os furacões que se formam no Pacífico podem girar em direção ao Havaí ou ao México.

Ilustração mostra uma espaçonave GOES em órbita ao redor da Terra / NOAA

O satélite GOES-T proporcionará um melhor monitoramento de ambos os tipos de eventos climáticos.

As temperaturas quentes da superfície do oceano podem contribuir para a formação de furacões, de modo que o monitoramento desses aumentos por satélite pode fornecer um alerta antecipado sobre a formação de furacões.

As capacidades do satélite também ajudarão os meteorologistas a rastrear e monitorar tempestades tropicais e furacões praticamente em tempo real, compartilhando dados sobre a estrutura e características da tempestade, velocidade do vento e raios. Todos esses fatores podem ser usados ​​para calcular a intensidade de uma tempestade.

O rastreamento do aumento da temperatura do oceano pode permitir um melhor monitoramento das ondas de calor marinhas que causam eventos de branqueamento de corais em massa e alteram ecossistemas marinhos inteiros.

Os incêndios florestais são outro perigo para aqueles que vivem em grande parte do oeste dos EUA, e o GOES-18 está armado com uma infinidade de maneiras de detectar e espiar dentro da natureza destrutiva desses eventos extremos.

O satélite será capaz de encontrar pontos quentes de incêndios florestais, detectar mudanças no comportamento do fogo e prever seu movimento, bem como estimar a intensidade, a saída de fumaça e a qualidade do ar. Ele também terá a precisão para identificar os relâmpagos com maior probabilidade de causar esses incêndios e detectar as nuvens pirocumulonimbus que se formam sobre incêndios florestais.

Essas nuvens maciças podem se estender por quilômetros. Uma combinação perigosa de tamanho e calor permite que as nuvens criem seu próprio clima e ameacem os bombeiros presos abaixo delas.

“O Advanced Baseline Imager, ou ABI, é ideal para detectar a assinatura térmica, ou os pontos quentes, dos incêndios”, disse Dan Lindsey, cientista do programa GOES-R da NOAA, durante a coletiva de imprensa. “Às vezes, é até capaz de detectar os incêndios antes que eles sejam relatados ao público. Esta é uma informação realmente crucial para os bombeiros, para que eles possam cuidar dos incêndios antes que estejam fora de controle.”

A ABI do satélite pode escanear nosso planeta cinco vezes mais rápido com quatro vezes a resolução dos satélites geoestacionários anteriores. E o instrumento recentemente surpreendeu os cientistas da NOAA com outra capacidade anteriormente desconhecida: detectar ondas de pressão de erupções vulcânicas, o que eles conseguiram fazer após a recente erupção de Tonga.

E os satélites GOES não monitoram apenas a Terra. Eles têm instrumentos especializados que criam imagens do Sol e detectam erupções solares e monitoram as partículas de radiação espacial recebidas. Sem rastreamento adequado ou avisos antecipados, esse clima espacial pode danificar satélites que fornecem a base para nossas comunicações e GPS, bem como naves espaciais como a Estação Espacial Internacional.

Quando o GOES-18 estiver operando, ele substituirá o atual satélite GOES-17, que permanecerá em órbita como reserva. Testes pós-lançamento do GOES-17 em 2018 revelaram um problema com o sistema de refrigeração no gerador de imagem do satélite, levando a perda de imagens de tempos em tempos. Esse problema foi corrigido na ABI do GOES-18, que substituirá efetivamente o monitoramento do GOES-17 no hemisfério ocidental.

A agência antecipa que as primeiras imagens e dados do GOES-18 estarão disponíveis no verão de 2023.

Fonte: CNN

+55 67 99227-8719
contato@maisfloresta.com.br

Copyright 2021 Mais Floresta ©  Todos os direitos Reservados