Fogo atinge áreas de balneários na costa e áreas de florestas de pinus no limite dos departamentos de Paysandú e Río Negro

Grandes incêndios florestais atingem o Uruguai no final deste ano, consequência da forte onda de calor que se registra e a seca que assola o país que fez o Ministério da Pecuária uruguaio declarar uma situação de emergência climática. Bombeiros, Ministério do Interior, Força Aérea, Exército e voluntários combatem as chamadas em duas regiões do país. Os primeiros incêndios ocorrem na região litorânea entre Montevidéu e Punta del Este, área conhecida como Costa de Oro. As chamas se concentram em Fortín e em Parque del Plata.

No balneário da Atlântida, uma enorme coluna de fumaça podia ser vista perto da escultura da Águia que é uma das atrações turísticas locais. No caso do Fortín, de acordo com o jornal El País, as chamas foram relativamente controladas depois de destruir várias árvores e vegetação, mas o vento ontem as reacendeu, e passaram ao Norte da Rodovia Interbalneária, além de também atingir a Villa Argentina. “O incêndio do Fortín ainda está ativo, não foi apagado”, afirmou o porta-voz do Corpo de Bombeiros, Pablo Benítez, ao El País.

O outro grande incêndio ocorre nas proximidades da cidade de Algorta, no departamento de Río Negro. Conforme o prefeito Omar Lafluf, o fogo “foi reacendido e atingiu mais campo” do que o que já havia afetado em uma área de 5.000 hectares. Lafluf mostra-se preocupado que a situação tem piorado nas últimas horas, já que a propriedade onde o fogo atingiu tem mais pinheiros e é mais combustível. “A situação é extremamente grave”, resumiu. Sobre a possibilidade de evacuação dos 700 habitantes de Algorta, o prefeito disse que estava a ser analisada e que “a prioridade é a população”. O enorme incêndio em Algorta ocorre no limite dos departamentos de Paysandú e Río Negro. As chamas que começaram perto de Algorta (Río Negro) agora ameaçam as cidades de Orgoroso e Piedras Coloradas, em Paysandú. Diante da situação crítica, alguns moradores de ambas as localidades decidiram evacuar-se para Guichón, onde foram recebidos por vizinhos. Nesses locais, centros educacionais, bares e até casas de famílias foram abertos para receber os desalojados pelo incêndio.

O Centro da América do Sul enfrenta uma forte onda de calor que ocorre em meio a um quadro de seca forte a severa. A temperatura ontem atingiu no Uruguai 38,5ºC em Mercedes e 38,3ºC em Salto. Na cidade de Montevidéu, a máxima atingiu 35,2ºC no Prado. No Rio Grande do Sul, a temperatura chegou a 38,9ºC em Porto Xavier, 38,0ºC em Quaraí, 37,8ºC em Uruguaiana e Santa Rosa, 37,7ºC em Alegrete, 37,6ºC em Teutônia, 37,5ºC em Feliz, 37,4ºC em Porto Vera Cruz e Alpestre, e 37,3ºC em Lajeado.

No Paraguai e na Argentina, a temperatura novamente passou dos 40ºC com registros de 42ºC a 43ºC no Norte argentino. Na quarta, o Aeroporto Internacional de Ezeiza, na Grande Buenos Aires, anotou a primeira marca de 40ºC em 22 anos e as máximas em pontos da região patagônica se aproximaram dos 40ºC. O Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca (MGAP) do Uruguai declarou uma emergência agrícola devido ao déficit hídrico em 19 trechos dos departamentos de Durazno, Florida, Paysandú, Río Negro e Tacuarembó ante a ausência de chuvas. O órgão informou em nota que a área cobre 2.195.380 hectares.

Fonte: Metsul

+55 67 99227-8719
contato@maisfloresta.com.br

Copyright 2021 Mais Floresta ©  Todos os direitos Reservados