A fábula dos Três Pequenos Porcos destaca percepções negativas sobre materiais naturais de construção, segundo James Drinkwater, chefe de Ambiente Construído na organização filantrópica do clima da Fundação Laudes.

Falando sobre a necessidade de aumentar o uso de madeira e outros biomateriais na construção, Drinkwater disse que a conhecida história infantil apresentou materiais naturais como palha e madeira como “terríveis”.

“Há uma história clássica na Inglaterra chamada Os Três Porquinhos”, disse Drinkwater durante uma palestra organizada por Dezeen. “O primeiro [porco] fez sua casa de palha e esse material natural era terrível.”

“É preciso mudar as percepções para mostrar o que é possível e amplificar essas narrativas.”

As pessoas veem materiais de construção naturais como fracos

A história dos Três Porquinhos refere-se a uma fábula que remonta a 1800, que conta a história de três porcos que constroem casas a partir de palha, paus e tijolos, respectivamente. Enquanto o Lobo Mau derruba as casas dos dois porcos feitos de materiais naturais e come seus ocupantes, a casa de tijolos prevalece e o terceiro porco é salvo.

Drinkwater se referiu à fábula para destacar como as pessoas muitas vezes veem materiais de construção naturais como fracos durante sua discussão sobre uma nova rede chamada Built by Nature, quando na verdade a construção com materiais naturais poderia reduzir significativamente as mudanças climáticas, de acordo com Drinkwater.

Retrato de James Drinkwater
James Drinkwater é chefe da Built Environment na Laudes Foundation

“O ambiente construído representa quase 40% de todas as emissões de carbono. Então é uma grande parte da oportunidade de mitigação do clima”, alertou Drinkwater.

Fundada pela Laudes Foundation – uma organização filantrópica que tem um foco duplo nas mudanças climáticas e na desigualdade social – a Built by Nature é uma rede e fundo de concessão em uma missão para normalizar e acelerar a construção com madeira na Europa.

A madeira em massa está cada vez mais substituindo materiais intensivos em carbono

O objetivo de longo prazo da rede é alcançar um ambiente construído sem líquido, onde o carbono incorporado seja radicalmente reduzido e armazenado com segurança dentro da arquitetura de madeira em massa.

A madeira em massa abrange vários tipos de madeira projetada que estão cada vez mais substituindo materiais tradicionais de construção intensivos em carbono, como concreto e aço.

“Built by Nature abrange o tema de como vamos além do ‘extrativo’ para ‘regenerativo’ em nosso ambiente de construção”, acrescentou Drinkwater.

“O que significa fazer isso direito para as florestas e criar uma economia florestal inteligente para que, quando estamos fornecendo madeira, estamos nos certificando de que estamos melhorando a capacidade de sequestro das florestas como um setor que se aproveita dessas florestas?”

“Precisamos ter certeza de que estamos fazendo isso da maneira certa e criando esses incentivos de demanda para impulsionar o reflorestamento.”

Áreas de foco construídas pela Natureza
Construído pela Natureza tem como alvo diferentes áreas para incentivar a construção com madeira

Durante a palestra, Drinkwater também discutiu a necessidade de uma economia circular dentro da arquitetura, que é um sistema econômico onde os resíduos são minimizados através da reciclagem contínua de materiais, tanto quanto possível.

“Não podemos simplesmente mudar tudo e pedir à natureza que nos forneça toda a solução. Por isso, precisamos estar muito unidos entre os setores”, reconheceu, convocando os candidatos ao Built by Nature’s Accelerator Fund.

“Nossa vida média de construção [atual] de 42 anos não é nem perto o suficiente. Precisamos projetar esses edifícios e vigas de madeira e tudo mais para sua segunda e terceira vida”, acrescentou.

“À medida que essas árvores sequenciam carbono durante suas vidas, e então começamos a colocá-los em nossos edifícios e nossas cidades, é realmente fundamental que estejamos armazenando esse carbono com segurança por muito tempo”, explicou.

“Mas a ciência exige que não apenas reduzamos as emissões. Temos que remover um monte de coisas disso da atmosfera.”

“E, sem dúvida, se criamos 40% da questão climática, realmente agora precisamos trabalhar com a natureza, que é nossa ferramenta mais forte para entrar nessa faixa de emissões negativas. Sabemos que a ciência diz que as florestas oferecem nossa melhor esperança”, continuou Drinkwater.

Slide sobre a descarbonização por Built by Nature
Construído pela Natureza argumenta que devemos usar madeira para ajudar na descarbonização

Organizada pelo fundador e editor-chefe da Dezeen, Marcus Fairs, em colaboração com a marca velux,a palestra explorou ideias sobre como a arquitetura pode trabalhar com e não contra sistemas ambientais, a fim de apoiar o desenvolvimento sustentável.

Também participaram da discussão do painel Kasper Guldager, co-fundador da empresa imobiliária europeia Home.Earth, e Susanne Brorson, da prática de arquitetura Studio Susanne Brorson.

“Há questões que o ambiente construído realmente precisa reagir e abordar”, disse Guldager, referindo-se à relação entre arquitetura, desigualdade social e mudanças climáticas.

“Temos esse foco duplo na desigualdade social [e nas mudanças climáticas] – como hoje, vemos que o mercado imobiliário está separando as pessoas. Pessoas que podem e pessoas que não podem pagar as coisas. E vemos que o setor imobiliário está impulsionando as mudanças climáticas e que nosso planeta não pode sustentar a maneira como construímos.”

Brorson também expressou sua determinação para que o ambiente construído seja construído em consonância com a natureza.

“Estou tentando aproximar a próxima geração de arquitetos dessa ideia de soluções específicas [arquitetônicas] para certos climas e ambientes”, disse ela.

A imagem principal é de CiAsa Aqua Bad Cortina da Pedevilla Architects, uma casa alpina na Itália que é revestida de telhas feitas de árvores que caíram durante uma tempestade.

Fonte: Dezeen

+55 67 99227-8719
contato@maisfloresta.com.br

Copyright 2021 Mais Floresta ©  Todos os direitos Reservados