Número de eventos extremos de incêndios aumentará 14% até 2030 e 30% até 2050, diz relatório do Pnuma

Os incêndios florestais se intensificaram ao redor do mundo, fornecendo uma lembrança implacável de como a crise climática revira vidas e inflige bilhões de dólares por ano em danos. E só vai piorar, segundo especialistas nas queimadas.

Um relatório divulgado nesta quarta-feira (23) pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) sugere que é hora de “aprender a viver com o fogo” e nos adaptarmos ao aumento da frequência e gravidade dos incêndios, que inevitavelmente colocarão mais vidas e economias em perigo.

O número de eventos de incêndios extremos aumentará até 14% até 2030, de acordo com a análise do relatório. Até 2050, o aumento previsto é de para 30%.

Mesmo com os esforços mais ambiciosos para reduzir as emissões, o relatório mostra que essas consequências devem acontecer a curto prazo.

Embora a situação seja terrível e a eliminação dos riscos de queimadas seja impossível, as comunidades ainda podem reduzir seu risco e exposição, disse Andrew Sullivan, diretor de pesquisa da Commonwealth Scientific and Industrial Research Organization e editor do relatório.

“Incêndios incontroláveis e devastadores estão se tornando uma parte esperada dos calendários sazonais em muitas partes do mundo”, disse Sullivan em uma coletiva de imprensa na segunda-feira.

“Onde os incêndios florestais ocorreram historicamente, eles podem aumentar; no entanto, onde os incêndios não ocorreram historicamente, eles podem se tornar mais comuns”.

As queimadas afetam todos os aspectos da sociedade, incluindo a saúde pública, a subsistência, a biodiversidade e o clima já em mudança. Pesquisadores do Pnuma, incluindo mais de 50 especialistas de universidades, agências governamentais e organizações internacionais ao redor do mundo, dizem que o relatório serve como um “roteiro” para a adaptação a um mundo em chamas.

Padrão mutável

Os incêndios sempre serviram a um propósito ecológico vital na Terra, essencial para muitos ecossistemas. Eles restauram os nutrientes do solo, ajudando a germinar as plantas e a remover a matéria em decomposição.

Sem fogo, as folhagens excessivamente cobertas, como gramíneas e arbustos, podem melhorar a paisagem para piorar as erupções, particularmente durante a seca extrema e ondas de calor. A queima proposital de partes da terra tem historicamente evitado incêndios maiores e mais destrutivos. Os povos indígenas têm aplicado este método preventivo, conhecido como queimadas controladas ou prescritas, por milhares de anos.

Mas à medida que os humanos aqueceram o planeta, desenvolveram mais terra e criaram políticas de supressão de incêndios enquanto negligenciavam o manejo florestal, os incêndios tornaram-se mais mortais e destrutivos do que nunca.

Esses fatores, de acordo com o relatório do Pnuma, mudaram drasticamente o regime de incêndios.

Eles agora queimam mais e estão se tornando mais quentes em lugares onde sempre ocorreram; enquanto isso, os incêndios também estão se acendendo e se espalhando em lugares inesperados, incluindo pântanos, turfas e no descongelamento do permafrost no Ártico.

“O que chama a atenção é que agora existem ecossistemas que começam a queimar e que não esperávamos nessa intensidade”, disse Tim Christophersen, chefe do Departamento de Natureza para o Clima do PNUMA, à CNN.

“Por exemplo, há muito mais áreas úmidas que, pelo nome, você pensaria que não pegam fogo facilmente. Vemos cada vez mais incêndios também no Círculo Polar Ártico, onde os incêndios são naturalmente raros”.

Fonte: CNN

+55 67 99227-8719
contato@maisfloresta.com.br

Copyright 2021 Mais Floresta ©  Todos os direitos Reservados